12 de maio de 2010

96 - Melodias tocadas no contra (tempo)

Estática e de perfeita estética
novamente
a bela,
sem forçar fez-
me
sentir
o encaixe
em metrica,
que naturalmente deriva
do luar
em luzes
nas impalpáveis sombras
da torturosa e ingrata
espera.

longas e agonizantes
noites em claro
não me fizeram
esquecer
o encanto
da almejada
pérola
cada vez mais bela.

Brilham verdes e lindos
os olhos em luto,
que enfim amadureceram
e deram frutos,
sem anceios
nem medos
num acordo mudo com o mundo,
pois palavras nao descrevem
a intensidade prazerosa
de cada momento
inigualavel e único
no seu determinado espaço
em aguardado tempo.

ausente a angustia
hoje
o presente,
abraço em minha cama
o sonhar
no inconciente,
que prende
minha face já
nao mais amarga,
pois o tempo amigo
meu
enfim
foi paciente

inexplicavel e incomparavel sensação
de paz
amável,
me traz o alivio
sem desta vez
negar o fardo,
rendeu-se a fonte primitiva
que atrai
nossas almas
ao forte laço
que a tempos insiste juntar
tesouros destinados
a um acaso
calculado

impossivel
ser
descrito
apenas pó-
de
ser
sentido,
face a face
corpo no corpo,
estando juntos
lado a lado
um no outro.

pr.

06:06am
12.05.10

3 Comments:

Blogger Júlia said...

marlindodejulinha.

8:18 AM  
Blogger Giovanna Campos said...

palmas e suspiros.

ng é melhor q vc com elas, as palavras.

4:58 AM  
Blogger Maria Joana said...

Muito lindo! Impressionada com tanta novidade! Passei um tempo sem vir por aqui, mas sempre é uma perda de tempo minha demorar tanto!!! Muita saudade mago.
Beijoca

4:02 PM  

Postar um comentário

<< Home